Iron Maiden voa alto e ainda mais longe…

O sonho humano de poder voar parece ser uma obsessão para a banda britânica Iron Maiden. A primeira citação ao tema é a música “Flight of the Icarus” [O voo de Ícaro], do álbum Piece of Mind, de 1983, que escancarou a estratégia de usar a cultura erudita como temática pop.

Após 25 anos, os metaleiros resolveram encarnar o sonho eles mesmos a bordo de um avião co mer cial. Pilotado pelo vocalista Bru ce Dickinson, o Flight 666 trans portou a autoproclamada “maior turnê da história do rock” por 70 mil quilômetros durante 45 dias, totalizando 23 apresentações entre fevereiro e março de 2008. Documentado em filme homônimo produzido por um fã, este mais recente voo da Besta é lançado agora em DVD duplo.

“É uma lição de humildade”, afirma Dickinson sobre a experiência de pilotar. Mas a modéstia não se estende às características da turnê retratadas no filme. Palcos imensos montados em tempo exíguo, milícias de fãs com dedos em chifre e o hedonismo típico das su per-estrelas. O documentário mostra a pujança de uma banda que desde sempre resolveu investir em grandes espetáculos.

Ao comprar um avião para si, o Iron Maiden pôde cortar custos de logística e marcar apresentações em cidades longínquas e isoladas como San José (Costa Rica), Bogotá e Curitiba. “Pudemos passar por cima de contadores que nos di ziam: ‘é inviável vocês se apresentarem lá ou acolá’”, justifica Dickinson em entrevista.

Há ainda vários outros mo mentos em que o profissionalismo dos músicos se faz transparecer. Nos cinemas, a plateia exultou ao ver a pilha de fotos para ser autografada durante uma escala entre dois shows. Da altura da poltrona, era atacada mecanicamente pelos músicos.

O filme revela, porém, uma espécie de crise de meia-idade artística. Às vésperas de completar 30 anos de carreira, o Maiden parece indeciso entre continuar criando, sem obter o mesmo resultado de antes, ou se render a um repertório consolidado que tende a envelhecer com eles. A turnê Somewhere Back in Time [em algum lugar do passado], retratada no documentário, é uma prova disso. Resgatou músicas e cenários dos anos 80 mas, segundo a banda, será a última em que apresentarão o material clássico ao vivo.

O disco-bônus é, portanto, uma última oferenda. Contém as músicas do show na íntegra, executadas uma em cada cidade diferente da turnê. Destaque para a empolgante “The Clairvoyant”, gravada na Padeira Paulo Leminski.

0aironmaidem

Escrito por arrozcomfeijaozinho

Outubro 21, 2009 às 10:26 am

http://arrozcomfeijaozinho.wordpress.com/2009/10/21/iron-maiden-voa-alto-e-ainda-mais-longe/

Uma resposta to “Iron Maiden voa alto e ainda mais longe…”

  1. Ae galera, essa notícia nem é atual, mas achei interessante divulgar!
    Por causa do Iron, é claro!

    vlw!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: